AGORA JÁ PODE EXPERIMENTAR OS RELÓGIOS DA FOSSIL VIRTUALMENTE
11 Janeiro 2021
Ver todas as notícias
AGORA JÁ PODE EXPERIMENTAR OS RELÓGIOS DA FOSSIL VIRTUALMENTE
Após meses de trabalho de desenvolvimento, a marca de acessórios norte-americana Fossil lançou uma ferramenta de realidade virtual que permite aos clientes experimentarem os seus relógios virtualmente. A ferramenta foi criada em colaboração com a especialista Tangiblee e está disponível nos sites e aplicações Fossil e Watch Station.

O primeiro passo para experimentar a função é medir a largura do pulso do usuário, usando uma câmara telefónica. Não sendo obrigatório, irá gerar medições mais precisas, pois as fotos permitem uma avaliação real do tamanho ideal do modelo em relação ao pulso do usuário. A ferramenta de realidade virtual permite que a pulseira do relógio seja posicionada ao longo do pulso conforme necessário, tocando e arrastando o modelo escolhido.

"Estamos muito satisfeitos por colaborar com um parceiro tão incrível e mal podemos esperar para ver o que os dados de utilização e desempenho revelarão sobre as reações dos clientes da Fossil, bem como o impacto [da ferramenta] no resultado líquido da empresa”, declarou Eliad Inbar, diretor geral da Tangiblee, cuja solução digital está a ser usada por clientes para simular e experimentar virtualmente os mais de 1.800 modelos da marca de acessórios texana.

O grupo Fossil detém as marcas Fossil, Michele, Misfit, Relic, Skagen e Zodiac, e também opera licenças para a Armani Exchange, Diesel, BMW, DKNY, Emporio Armani, Kate Spade New York, Michael Kors, Puma e Tory Burch.

Nos últimos 10 anos, a empresa norte-americana tem-se revelado muito ativa no desenvolvimento de relógios conectados e híbridos. O trabalho da Fossil convenceu o Google a desembolsar 40 milhões de dólares em 2019 para adquirir algumas das soluções de alta tecnologia desenvolvidas pela empresa nesta área.

Em 2020, o tamanho do mercado de acessórios conectados foi estimado em 30 mil milhões de dólares (24 mil milhões de euros). De acordo com o portal HardwareSG, o setor deve produzir 125,5 milhões de unidades em 2021, um aumento de 20,4% em relação aos volumes gerados cinco anos antes.
Topo